eu quem partiu

Sei, fui eu quem partiu
Tomei meu coração e fugi
levando comigo a verdade
Estou apaixonado por seus passos.

Sei, fui eu quem partiu
larguei minha alma e fugi
levando comigo a angústia
De estar apaixonado por seus passos.

Perfume ausente da minha estrada.
Lábios distantes de meu amor.

Por onde anda meu caminho?

Onde guarda seu rancor
tem espaço pra um abraço?
Onde teima me enterrar
tem espaço pra uma rosa?

Sim, fui eu quem partiu.
sem nunca sair daqui
sem nunca deixa de sentir
seus passos dentro de mim.

Por onde anda meu caminho?

Published in: on 11 janeiro 2013 at 13:41  Deixe um comentário  

Terno e sensato

Ternamente se aproxima do fim
teimando em viver o que resta.
Ainda supre inúteis esperanças
de alegrias no amor inexistente.
Sutilmente desfalece em sorrir,
desfarçar a desgraça em paixão.
Passeia por ruas distantes de casa
sem pressa e coragem pra voltar.
Até onde vai o sentimento perdido
segue as sombras cantarolando
assobiando canções que nunca aprendeu.
De repente se apega ao futuro,
de repente se aconchega na dor.
Inesperadamente desiste do sonho
Sensatamente se nega a amar.

Published in: on 21 maio 2012 at 16:31  Deixe um comentário  

lágrima viva

Menina que sonha e canta o que quer.
Menina que brinca e vive seu amor.
Menina que chora de alegria ou de dor.
Menina de força e intensa paixão.
Menina que cresce e se revela mulher
sem nunca fingir que deixou de ser a menina que é.

Published in: on 15 janeiro 2012 at 16:16  Deixe um comentário  
Tags: , ,

Menina Rosa

Menina rosa
de pétalas curtas,
perfume doce
e graça na pose,
de caule esguio.
Não se exibe
ou regozija,
mas se orgulha
dos espinhos que tem.

Published in: on 15 janeiro 2012 at 16:15  Deixe um comentário  
Tags: , ,

Ternura

Tristeza franca se aconchega
e a verdade livre de temor.

Sua força descansa.
Seu desejo não supre, não chega
não acalma, não prende.
Sua alma silencia.

Sente e sentes que não devo sentir.
Até quando o porque fará sentido?
Até quando veras a diante?

Devotas caos em sensações
provoca, instiga uma palavra(ao menos),
mas a alma desatende.

Se lança em cruzada…silêncio em resposta

O que falta entender?
O que tens perderás.( sua vitòria)

Ternura é suave tristeza
silêncio é paz ao extremo
Liberdade é falta de amor.

Published in: on 29 dezembro 2011 at 16:10  Deixe um comentário  

Eufémico

Cortez,

Nomeia poesia o que não passa de tristeza
Transgride em versos a sobra de seus sonhos
perdidos e incapazes de se tornarem fatos.

Tece em notas o que corrói seu pensamento
e recebe aplausos pelo que transtorna o coração.
Dita em rimas doces o inverso da poema.

Entende o choro por inspiração, a angustia
por talento e o medo por cautela.

Tens nas mãos tudo o que rejeita
e as fecha pelo medo da ausência.
Reprime em prosa teores de protesto
Sussurrados em tercetos graciosos.

Requer a vida sem caminhando sobre a sombra.
Sem o sangue sob os pés deseja amar.

Se cala ao gesto,nada vendo além do tempo.
E clama a tudo por beleza,onde nada é o que vê.

Cortez,
renega a vida, vivendo-a por completo.

Published in: on 14 dezembro 2010 at 16:44  Deixe um comentário  

Revés…

Em hábitos vindouros
em preces e carinhos
escondes a força
traga a repousar.

Envestes em ter
possuir a si,
é seu proposito
vida além de si.

Revés
impossivel reparar a perda.

Não não se tem
não se vê,outro
possui sua dor
vida além de si

Entregas a terços
preces e pactos
Não tens além
Vive outro em ti.

Published in: on 18 abril 2010 at 23:44  Deixe um comentário  

…tempestade…

Que noite densa e fria!
Canta a chuva a muito tempo…
Galhos, Folhas e flores vão…
…se vão ,sem reclamar
deixando em nós,a mente louca,
olhares longos , mão vasias.
Diante do imagem revivida,
Teimamos em viver passados imaginários.
Sem as flores de manhã tudo seca,
o deserto se impôe… a vida se resseca
E o sofrer passa a ser gozo;
Até que no prostrar da nova tarde
de memórias não vividas…sorrimos.
É a natureza caotica de quem ama:
Chorar por galhos secos,folhas mortas
e flores murchas.
Tempestade…liberdade
Lá vem outra bem mais forte
E o gozo que me volte!

Published in: on 24 janeiro 2010 at 0:17  Deixe um comentário